Rádio Monteiro - Online

Museu Arnaldo Lafayette relembra a passagem de cangaceiros por Monteiro

Ricardo garante Sistema Adutor da Borborema durante encontro no Cariri

Cristino Gomes da Silva Cleto. Este é foi o nome de uma das figuras mais legendárias do cangaço, o terrível Corisco. Ou, Diabo Louro.
Figura atormentada pelo destino nasceu em 10/08/1907, num dia de sábado, na Serra da Jurema, no município de Matinha de Água Branca, em Alagoas.
Na Paraíba, homiziou-se em Alagoa do Monteiro, terra do célebre bacharel-cangaceiro Santa Cruz, habitat dos valentões. Naquele tempo o sertão fervilhava de cangaceiros. A mudança não lhe foi benéfica.
Cristino por algum tempo foi trabalhar na roça e no trato com o gado, mas como nem sempre de trabalho vive o homem tornou-se freqüentador assíduo dos forrós de fim de semana. Certa feita tira uma moça para dançar e recebe um “não”. Insiste, e é esbofeteado por um parente da moça. Apanhar na cara é uma desmoralização que o sertanejo não perdoa. Vai à casa do patrão, arma-se e despeja toda a carga de um rifle sobre o agressor, matando-o. Consegue fugir, indo ocultar-se em uma das fazendas do patrão. Estávamos nos fins de 1925.
É orientado pelo patrão a entregar-se às autoridades. Ele providenciaria que a pena lhe fosse branda. Confiante, Cristino se entrega e é levado a júri. O tiro lhe sai pela culatra e Pega 15 anos de prisão. O Estado naquela época, não tinha condições de manter prisioneiros encarcerados por tão longo período e normalmente resolvia o problema da maneira mais simples. Por sorte, Cristino ficou numa cela com oito companheiros, e um deles era protegido pelo prefeito do lugar. Poucos dias depois recebe uma sacola com alimentos, contendo ainda ferramentas para a fuga e um bilhete avisando que no dia seguinte todos seriam fuzilados e que por isso tratassem de fugir enquanto era tempo. No dia seguinte, quando o sol nascia na Paraíba, Cristino era novamente um homem livre.
Vai parar em Villa Bela (atual Serra Talhada), refugiando-se na fazenda Carnaúba.
No ano de 1936 o grupo de Lampião entrou no município de Monteiro. Ali deixando um rastro de sangue.Lampião não participou dos sangrentos acontecimentos o bando vinha chefiado por Virginio Fortunato da Silva o (cangaceiro Moderno) seu cunhado a primeira parada foi na Fazenda Capitão Mor do senhor Malaquias Batista Feitosa. Fazenda Balança do senhor José Cobra, Fazenda Ribeiro Fundo do Major Sátiro Feitosa, em são Sebastião do Umbuzeiro. Morreram os senhores Pedro de Alcântara coletor da mesa de renda do município, um senhor por nome de Seba.

0 comentários:

Postar um comentário