Rádio Monteiro - Online

Apresentador do SBT gravÿa no Cariri paraibano para o programa ‘Avenÿtura Selvagem’

Image 
 
O tatu-peba é um animal da caatinga que tem como característica o consumo de raízes, pequenos insetos, larvas e frutos da caatinga. Embora esse animal possua hábito noturno, sendo visto raramente durante o dia, na época da safra do umbuzeiro, a maneira mais fácil de vê-lo é esperá-lo embaixo de uma planta de umbuzeiro. Foi o que fez, nesta terça-feira (30), o biólogo, economista e apresentador de TV, Richard Rasmussem, próximo ao Lajedo Pai Mateus, na zona rural do município de Cabaceiras, no Cariri da Paraíba.

O encontro dele com o tatu-peba,  raposas e lagartos, com cultura do bode, além do artesanato do couro típico da região e a gastronomia local serão apresentados  numa série reportagens no programa semanal de televisão “Aventura Selvagem”, no Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). O primeiro programa será exibido no dia 10 de agosto (sábado) , a partir das 18h30, e domingo (11), às 8h.

“A Paraíba tem uma beleza espetacular. Um lajedo como o de Pai Mateus a gente só encontra lá na Namíbia. Aqui, o sol nasce às cinco horas da manhã, é a melhor luz natural do mundo para se gravar. O bioma da caatinga é rico. As pegadas dos dinossauros em Sousa  você não tem em outro lugar. É esse olhar mais perceptivo que a gente quer mostrar e trazer mais turistas para conhecer as belezas deste Estado”, enfatizou Richard Rasmussem.

O apresentador de TV ainda ressaltou que não quer  mostrar a vida do paraibano e do nordestino pelo lado do sofrimento, mas enxergar nele e ao seu redor um ambiente de beleza com a fauna, flora e toda a cultura. “O bioma da caatinga é gigantesco no Brasil, mas infelizmente compete com a  Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Pantanal. A caatinga é deixada como a quinta roda, mas é um ambiente onde existe toda uma vida de muita adaptação não só dos bichos, mas das plantas e o ser humano também”, sublinhou o biólogo.

Richard adiantou que depois seguirá para a Capital, onde irá gravar na Praia do Bessa, em João Pessoa, e na Praia de Intermares, Cabedelo, com a equipe da ONG Guajiru, que desenvolve o projeto “Tartarugas Urbanas”. O objetivo do apresentador é mostrar que as tartarugas marinhas existem há mais de 180 milhões de anos e conseguiram resistir a todas as mudanças do planeta, e chamar a atenção dos telespectadores para a importância da preservação ambiental.

O terceiro local de gravação escolhido foi a região do Brejo paraibano, com o intuito de, além de enfatizar a rota cultural “Caminhos do Frio”, mostrar os animais que sobrevivem nas áreas frias e serranas do Estado. A última locação será na Área de Proteção Ambiental na Baía da Traição, Litoral Norte da Paraíba. As aldeias indígenas, tradicional dos índios potiguares, será o foco principal das gravações, onde o biólogo mostrará a riqueza dos rios, mangues, manifestações folclóricas, artesanato, a prática da pesca e, principalmente, os animais típicos da região.“Vamos fazer uma série de programas na Paraíba, uma releitura das coisas que a gente já fez e coisas novas. Nós nunca tínhamos feito um programa sobre o Brejo, estou ansioso para conhecê-los como também o Litoral”, afirmou Richard Rasmussen.

0 comentários:

Postar um comentário