Rádio Monteiro - Online

Água do São Francisco deve chegar à Monteiro no Carnaval

A água da transposição do São Francisco deverá chegar a Monteiro (PB) no fim de fevereiro e seguir para o açude de Boqueirão, que abastece Campina Grande, em até 45 dias. O novo prazo foi dado nesta quarta-feira (18) pelo ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho. As bombas emprestadas pelo governo de São Paulo foram acionadas e vão acelerar a chegada da água que, inicialmente, só chegaria ao estado em abril.

A comitiva ministerial inspecionou as obras em Pernambuco e na Paraíba, nessa terça e nesta quarta, e percorreu o trecho do Eixo Leste do reservatório de Itaparica, em Floresta (PE), onde é feita a captação com destino final, a cidade de Monteiro (PB).

As bombas que possuem 150 metros de comprimento e vão acelerar a chegada da água do rio, ainda neste primeiro semestre, às cidades paraibanas de Monteiro e Campina Grande. Segundo o ministro, serão instalados quatro conjuntos no reservatório de Floresta (PE). “Nossa expectativa é de que possamos até o último dia de fevereiro entregar água do rio São Francisco, em Monteiro (PB), e a partir daí pegar o curso do Rio Paraíba e assegurar tranquilidade à população”, reforçou o ministro.

As primeiras elevatórias (EBV-1 e 2) desse eixo estão em operação. O processo de enchimento começou depois que as estruturas de engenharia necessárias à passagem da água foram finalizadas no último mês de dezembro.

Com o acionamento da primeira bomba pelo ministro Helder Barbalho, os técnicos do Ministério da Integração Nacional continuam a instalação das outras três motobombas, que possuem, juntas, 1.800 metros de tubulação, com um metro de diâmetro. Os quatro conjuntos estão sendo instalados no reservatório Braúnas (RN), onde as águas do rio São Francisco chegaram após percorrer um trajeto de 19,7 quilômetros, desde a captação do manancial no mesmo município.

Os equipamentos vão acelerar a condução da água em 15 quilômetros subsequentes até à terceira estação (EBV-3) do eixo, completando 35,6 quilômetros, após atravessar um reservatório (Mandantes). Caso haja necessidade durante o enchimento dessas estruturas, as bombas poderão ser deslocadas para outros pontos no Eixo Leste.

As bombas foram emprestadas pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), após o ministro Helder Barbalho solicitar ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, a disponibilização desses equipamentos, no final de dezembro de 2016.

0 comentários:

Postar um comentário